quinta-feira, 4 de março de 2021

polícia investiga empresa de locação de veículos e cumpre nove mandados no Piauí


 

A Delegacia de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Deccor) cumpre nove mandados de busca e apreensão durante operação Liderança deflagrada nesta quinta-feira (04), na cidade de Paulistana, no interior do Piauí. Segundo o delegado Ferdinando Araújo, o alvo da ação policial é uma empresa local que atua no transporte escolar e locação de veículos que, por determinação judicial, teve R$ 15 milhões em bens bloqueados.

"No trabalho, os investigadores descobriram que, mesmo sem possuir patrimônio, estrutura e capacidade técnica-operacional, a empresa sempre foi a única vencedora das sucessivas licitações com o município investigado ao longo dos últimos anos, sempre com o objetivo de locar veículos para a administração pública, em especial para o transporte escolar", informou a Polícia Civil do Piauí. 

O delegado Ferdinando Araújo explica que a empresa possuía apenas três veículos. Os mandados estão sendo cumpridos na sede da empresa e em endereços ligados à comissão de licitação, secretaria de Educação, servidores públicos e empresários.

"Pelo apurado, só no ano de 2018, as contratações apresentaram indícios de sobrepreços da ordem de mais de 40%, o que apontam indícios de desvio/expropriação de recursos públicos", informou a nota. 

Foto: divulgação PC-PI


 
Os envolvidos são investigados por associação criminosa, peculato, fraude à licitação, entre outros.Participam da operação equipes da Decccor, GPE, GPI, Depre, Core, DRCI, delegacia de Picos, delegacia de Paulistana e auditores do Ttribunal de Contas do Estado.

O título da operação faz alusão ao nome da empresa e ao fato dela ter sido a única vencedora das licitações do referido município com o objetivo de locar veículos.

O Cidadeverde.com tenta contato com a empresa alvo da investigação. 


Fonte: CidadeVerde

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

93% dos leitos estão ocupados em THE;maioria são pacientes do interior


 

A ocupação de leitos de UTI Covid chegou a 93% em Teresina neste final de semana, dos 113 totais, 105 estavam ocupados. Apenas 44% dos leitos estavam ocupados por teresinenses, e 56% por pacientes oriundos do interior do Estado. Com a situação preocupante, integrantes dos Comitês de Operações Emergenciais (COE) municipal e estadual se reuniram ontem (21) na sede da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

“Houve uma discussão técnica integrada para uniformizarmos as decisões. Definimos que precisam ser tomadas algumas medidas para evitar demanda excessiva para o sistema de saúde. Teresina está com os leitos de UTI ocupados em sua maioria por pacientes do Norte do Estado, uma região que precisa tomar medidas imediatas. Então foram sugeridas algumas medidas, que serão avaliadas pela prefeito Dr. Pessoa e pelo governador Wellington Dias. Eles, juntos, com suas orientações jurídicas e econômicas poderão juntar as informações técnicas das autoridades em saúde e tomar as decisões mais adequadas”, afirma Gilberto Albuquerque.

Ele fala ainda que Teresina já aumentou a quantidade de leitos possíveis. “Nós já abrimos os leitos de UTI que poderíamos. Mesmo que a gente conseguisse abrir mais leitos de UTI, não existem medicamentos no mercado para se comprar. As indústrias não estão produzindo quantidade suficiente. Então, não temos outra alternativa a não ser sugerir algumas medidas que ajudem o sistema de saúde a suportar a demanda”, diz Albuquerque.

Reunião no COE municipal

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Dr. Pessoa anuncia que vai doar salário de prefeito de Teresina para sem-tetos


                                                            Dr. Pessoa, prefeito de Teresina


Dr. Pessoa anunciou que vai doar o salário de prefeito, R$ 17.690 por mês, para os sem-tetos. O anúncio, em primeira mão, foi feito em entrevista ao Notícia da Manhã, nesta segunda-feira (15).

"Meu salário vai ser para aqueles que não têm um lugar para morar, para ter um pedaço de pão de manhã. Meu salário inteiro, não vou usar um centavo. Todo ele será para aquele descamisado. Eu não vim para ostentar, para carrões, mansões. Meu salário, sem tirar um centavo, será para aqueles que eu vi dormindo em marquise, sem ter um cobertor. Deus já fez demais por mim, Deus já fez muito, eu tenho que pagar", disse o prefeito de Teresina que é aposentado  pelo estado e pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). 

Por outro lado, Dr. Pessoa disse que, como gestor municipal, também tem "olhado para o poder empresarial". 

"É quem dá trabalho e renda. O bom empresário a gente tem que incentivar. Aquele que estar inadimplente, a gente tem que incentivar. É dificuldade de pandemia. Como o poder executivo não tem um olhar macro? tenho essa sensibilidade do econômico, mas também do social. O Dr. Pessoa veio para fazer, veio para trabalhar. Com 75 anos, não paro, nem feriado", disse Dr. Pessoa. 

O prefeito também comentou sobre a expectativa para ser vacinado contra a Covid-19 e diz que não vai furar a fila. Ele acredita que a pandemia é uma espécie de 'castigo' pela perda da 'essência humana'. 

"Recomendamos as pessoas que tomem a vacina e sigam o protocolo. Essa doença veio para afugentar nossa vida. Estamos pagando aqui na terra o que nós fizemos e estamos fazendo de mau para a mãe natureza. Para aquilo que Deus nos deu, o planeta, o universo. Não estamos sabendo como conduzir. Embora seja um homem da ciência, mas acredito que está recheado um pouco de castigo porque não estamos sabendo conduzir a palavra mais sagrada no nosso meio: ser humano. Estamos perdendo a essência da humanidade. Estamos nos tornando pior que os animais selvagens", acredita Dr. Pessoa. 


Fonte: CidadeVerde

sábado, 13 de fevereiro de 2021

Médico vacinado contrai covid e se interna em estado grave em Teresina


 O médico José Antonio Cantuario Monteiro Rosa, de 62 anos, está internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Unimed, em Teresina. O médico mora em Boa Hora e presta atendimento em um posto de saúde na cidade de Boqueirão, Norte do Piauí. As informações são do portal Campo Maior em Foco.

De acordo com Patrícia Dias, esposa do médico, ele testou positivo para Covid-19 no último sábado (06/02) e foi internado na quarta-feira (10/02). Cantuario é diabético e hipertenso. Ainda segundo Patrícia, o médico recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 no dia (22/01) em Campo Maior.

Em entrevista à ABC News,  Christian Ramers, especialista em doenças infecciosas do Centro de Saúde da Família de San Diego, disse que esta situação não é surpreendente. "Sabemos, pelos testes clínicos da vacina, que demorará cerca de 10 a 14 dias para se começar a desenvolver uma proteção da vacina", explicou Ramers. "Aquela primeira dose, achamos que ela dá cerca de 50%, e você precisa daquela segunda dose para chegar a até 95%", disse.


Fonte: MeioNorte

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Início da história do garimpo de diamantes em Gilbués


                      Antiga gruta de diamantes na localidade Boqueirão Garimpo em Gilbués-PI


           Num dia incerto do mês de maio de 1946 em que Tertuliano Lustosa pegaria o primeiro diamante do garimpo surgido nas terras de sua propriedade Goianinha, às margens do riacho do Bom Jardim, Cavouqueiro e o irmão Raimundo acompanhavam o pai, Teodoro Oliveira, numa riosca  empreitada pelo tio Dedé Tavares para roçar as capoeiras de João José Neres. Dedé era irmão da mãe de Cavouqueiro, carinhosamente chamada de mãe Xandó pelos netos e filhos. “A roça de João Neres era um mundo de carrapicho, só faltou nos matar. Naquela época eu estava com o nome de bom de enxada e não havia riosca que eu não estivesse dentro, os braços não aguentavam mais. Depois observei que aquilo não era nome de gente, me matando, e eu querendo ser bom mesmo para garantir o nome. Dei adeus à enxada graças ao diamante”, revela Cavouqueiro.

          De forma acidental Terto Lustosa descobriu o primeiro diamante na Goianinha, pois ele não estava a sua procura e, embora não se dedicasse com exclusividade à atividade garimpeira após a descoberta, dela não se afastou por completo. Fazendeiro, criava bom rebanho de gado pé-duro e algumas cabeças de raça “compradas de Cobiniano ou de Pedro Duailibe, pois o gado raçado era pouco naquele tempo”, conta Cavouqueiro. Agricultor, plantava arroz, feijão, milho, mandioca e cana-de-açúcar, principais produtos da agricultura daquela época, além do capim para o gado.

          A atração exercida pelo diamante era irresistível, sendo poucos os que não deixaram levar pelo seu brilho. Numa região de majoritário predomínio de lavradores envolvidos com a mera agricultura de subsistência, a descoberta das minas de diamante teve efeitos bombásticos sobre todos. Afinal, os valores pagos por aquelas pedras minúsculas e de brilho fascinante estavam infinitamente acima daqueles recebidos por um dia de roça no cabo da enxada ou por empreita de mês ou mais tempo. A sorte sorriu para todos, de agregados a latifundiários.

          Dono de extensos hectares de terras, foi exatamente quando carregava madeira em um carro-de-boi para cercá-las, que Terto Lustosa encontrou o diamante inaugural do garimpo que se instalaria em Gilbués. No momento em que os bois saíram da trilha aberta no tabuleiro, uma das rodas do carro roçou a base de um pequeno morro, aparentemente formado de barro sem nenhum valor, como muitos outros localizados abaixo da casa da fazenda. Aquele monte de barro comum, entretanto, possuía como recheio o mais puro cascalho, sinal evidente da existência de diamante, como se comprovaria nos anos seguintes. Do choque da rodeira do carro-de-boi com a base do morro, rolou uma pedra brilhosa que se destacava em meio ao pedregulho desmoronado aos poucos. Terto Lustosa espantou-se com o brilho diferente daquela pedra. Curioso, recolheu-a cuidadosamente com a mão, tirou o lenço que levava no bolso da calça, fez um nó e, finalmente, guardou-a apertada na algibeira. “Êia boi”, gritou alto para apressar o passo lento do carro-de-boi, ansioso para chegar em  casa e mostrar a novidade a dona Francina, sua esposa.

          Sem saber, ele acabara de recolher o primeiro de outros milhares de diamantes surgidos nas próximas décadas, cujo brilho enlouquecedor sairia dos limites físicos da pedra, atrairia o brilho de inumeráveis olhares de homens e mulheres e revolucionaria o destino da vizinha Cagaiteiras, mais tarde chamada de Pau d`Óleo, do futuro Boqueirão e do já existente e minúsculo Gilbués de 1946.


 Texto extraído do livro Cavouqueiro, de autoria do jornalista Pedro Paulo Tavares de Oliveira