segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Piauí tem a terceira pior expectativa de vida do Brasil

A esperança de vida do piauiense ao nascer, em 2013, era de 70,5 anos, segundo os dados do índice de Mortalidade do Brasil, divulgados hoje pelo IBGE. O aumento foi de 11,9 anos desde 1980. Mesmo assim a média no Piauí ainda é menor que a nacional, de 74,9 anos.
A quantidade de anos que vive uma pessoa no Piauí é a terceira menor do país, perdendo apenas para o Maranhão - onde a expectativa de vida é de 69,7 anos - e para Alagoas, com média de 70,4. Aqui, assim como em outros Estados, as mulheres vivem mais que os homens. A expectativa para elas é de 74,6, enquanto para eles é de apenas 66,5 anos.
A unidade da federação com maior expectativa de vida ao nascer para ambos os sexos, em 2013, foi Santa Catarina, com 78,1 anos. Santa Catarina também foi o estado com maior esperança de vida para os homens (74,7 anos), e para as mulheres (81,4 anos). Juntam-se à Santa Catarina os estados do Espírito Santo, Distrito Federal, São Paulo e Rio Grande do Sul, cujas mulheres ultrapassaram a barreira dos 80 anos. 
Nos índices de mortalidade infantil, o Piauí ocupa a quinta colocação entre os piores. Aqui morrem 21,1 bebês a cada mil nascidos vivos. A taxa só é melhor do que em Rondônia (21,3),  Amapá (23,9), Alagoas (24), e Maranhão (24,7).
18 a cada mil jovens de 15 anos não chegarão aos 25
O levantamento do IBGE revela também qual a probabilidade de um jovem que tinha 15 anos em 2013, não complete os 25 anos. No Piauí, a média é de 18,2 a cada 1 mil, sendo que os homens têm menos chance de alcançar essa faixa etária. De acordo com os dados, 27,3 jovens do sexo masculino que tinham 15 anos não chegarão aos 25, enquanto entre as mulheres a taxa é de 8,9.
Fonte: PortalODia