sábado, 28 de fevereiro de 2015

Demarcação do Parque das Nascentes será concluída

Com o objetivo de dar andamento às ações e trabalhos de demarcação do Parque das Nascentes do Rio Parnaíba, técnicos da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí (Semar), Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), reuniram-se, na manhã desta terça-feira (24), com a empresa responsável pelos trabalhos, para discutir sobre as etapas de conclusão dos trabalhos que devem ser iniciados.
Com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a empresa responsável deve reiniciar os trabalhos até o fim do mês de março, com a conclusão dos serviços de demarcação topográfica, levantamento cadastral físico, agrícola e jurídico, bem como atividades de educação ambiental e comunicação social na região.
De acordo com o superintendente de Recursos Hídricos, Romildo Mafra, durante a reunião ficou decidido que o ICMBio passará a integrar, formalmente, o convênio estabelecido entre Semar e Codevasf, através de um acordo de cooperação técnica e posteriormente será feito um termo aditivo, com algumas alterações necessárias para a readequação de procedimentos para a conclusão da demarcação do Parque das Nascentes.
Romildo Mafra destacou sobre a criação do parque, considerando sua importância para os estados do Piauí, Maranhão, Bahia e Tocantins. “O parque foi criado em 2002, através de decreto presidencial, que tem o objetivo de proteger as nascentes do rio Parnaíba, o maior rio genuinamente nordestino, que abrange quatro estados brasileiros: Piauí, Maranhão, Bahia e Tocantins. Sua área possui um grande potencial ecoturístico e é de grande importância para a conservação da biodiversidade”, enfatiza Romildo.
O parque possui uma área de 729.813 hectares e foi criado principalmente para proteção das cabeceiras do Rio Parnaíba, e abrange a área de Proteção Ambiental Serra da Tabatinga. Sua vegetação predominante é o Cerrado. Fauna bastante diversificada, com mais de 60 espécies de mamíferos e 211 espécies de aves, muitos desses animais ameaçados de extinção, como o porco-do-mato, veado-campeiro, a jaguatirica, a onça-pintada, o tatu canastra, tamanduá-bandeira, o gavião-real, a arara-azul-grande e o beija-flor-de rabo-branco.
Em dezembro de 2014, o Senado aprovou o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 47/2014, que altera os limites do parque, ampliando sua área. As mudanças nos limites garantem a preservação dos recursos naturais que compõem o parque. A proposta altera o decreto de criação do parque, aumentando sua área de 729.813,551 hectares para 749.848 hectares.


Fonte: CCOM