segunda-feira, 30 de março de 2015

Câmara vota pedido de abertura de CPI que pode cassar prefeito Marcos Elvas

Marcos Elvas, prefeito de Bom Jesus
A Câmara Municipal de Bom Jesus vota na sessão desta segunda-feira (30/03), o pedido para a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que visa cassar o mandado do prefeito Marcos Elvas (PSDB).
A proposta para abertura da CPI é do vereador Wênio Alves dos Santos e será apresentada após o parlamentar e alguns vereadores denunciaram o prefeito por inúmeras irregularidades.
A Câmara Municipal é formada por 11 vereadores. Para a abertura da CPI é necessário que a maioria vote a favor. Se a abertura da CPI for aprovada, começa a fase processual com a apresentação das provas e manifestação da defesa. Após esta análise e oitivas, será marcada uma data para a votação do pedido de cassação.
DENÚNCIAS
O prefeito Marcos Elvas é acusado de nepotismo, de favorecimento a empresas ligadas à sua família, contratações irregulares, dentre outros ilícitos. As denúncias já foram enviadas ao MP, ao TCE-PI, a PF e a Procuradoria Geral. Ele também foi acusado de 'burlar' a lei para contratar com o ex-presidente da Câmara de Vereadores, o que geraria a perda com cargo, por violação à Lei Orgânica do Município.
PREFEITO SE DEFENDEU DAS DENÚNCIAS
Sobre as denúncias ele disse que “Minha administração é transparente, é guiada pelos estritos termos da lei e não tem nada a esconder”, acrescentando que qualquer questionamento que seja feito pelos órgãos controladores terá as explicações necessárias. Disse que “Não há nepotismo, e a lei está aí para definir o que é nepotismo. Todo servidor que está na folha atende ao requisito da lei. E todos trabalham, porque não aceito – nem a lei permite – esse negócio de servidor fantasma. Isso é coisa do passado. Eu acabei com isso”. Disse ainda que falar em “farra de aluguel” é desconhecer a realidade. “Todos os imóveis alugados pela prefeitura atendem a uma necessidade específica da população, seja para o funcionamento de um CAPS-AD (para atenção a dependentes), seja para acomodar feirantes”, ressaltou. Marcos destacou o papel da população na vigilância dos atos do gestor público. Ele lamentou, no entanto, que haja uma tentativa de politizar. “Acho que tem gente querendo antecipar as eleições. Ou querendo politizar a gestão”, disse.
Fonte:180graus