domingo, 21 de junho de 2015

Chesf e empresa dos Estados Unidos começaram a produzir energia eólica suficiente para abastecer um terço da população do Piauí

O futuro chegou no Piauí.
A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) e a empresa norte-americana ContourGlobal começaram a produzir, no domingo, no Parque Eólico Chapada do Piauí I, energia eólica no total de 210 megawatts, suficientes para
abastecimento de um terço da população piauiense de 3,2 milhões de habitantes.
O engenheiro Airton Freitas Feitosa, gerente regional de Operação Oeste da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco, disse que às 14h55 do dia 16 de junho foi energizada, em vazio, sob à Subestação Picos, localizada no município de Picos, a Linha de Transmissão de 230 KV, de Codificação Operacional 04P1, que interligará o Parque Eólico Chapada do Piauí I, localizado no entorno das áreas dos Municípios de Marcolândia, Caldeirão Grande, Simões e Padre Marcos, permitindo, assim, o escoamento da energia elétrica gerada no mesmo para o Sistema Interligado Nacional.
Segundo ele, a linha de transmissão tem 85 quilômetros de extensão.
“No dia 20 de junho teve início ao processo de energização da barra de 34,5 KV, em fase de teste, que coletará a energia gerada naquele Parque Eólico.
Após os testes, na noite de domingo, foi iniciada a fase de teste dos 115 aerogeradores do Parque Eólico Chapada do Piauí para que possam ser disponibilizados para entrarem em operação comercial já a partir do dia 1 de julho, com geração total de 210 megawatts, o suficiente para atender a uma demanda populacional da ordem de 400 mil pessoas.
O engenheiro Airton Freitas Feitosa mostra a dimensão da produção de energia eólica em relação ao que se tem atualmente no Piauí.
A usina de Boa Esperança, em Guadalupe, inaugurada em abril de 1970, produz 273,7 megawatts, quase a mesma quantidade produzida pelo Parque Eólico Chapada do Piauí.
As duas empresas que já produzem na Pedra do Sal, em Parnaíba (345 km de Teresina), geram 88 megawatts.
“Em toda a história, a maior demanda de energia do Piauí foi registrada no dia 21 de outubro de 2013, que foi de 783 megawatts.
Os investimentos necessários para viabilizar este empreendimento foram da ordem de R$ 840 milhões feitos pela Chesf (49%) e ContourGlobal (51%).
“Portanto, as Usinas da Chesf têm muita história para contar. Cada instalação surgiu para produzir desenvolvimento. Suas 14 Hidrelétricas são mais do que toneladas de concreto e aço. Elas ganham vida diária seja pela mão de quem acende um simples interruptor ou pelos empregos gerados nas escolas, universidades, fábricas, hospitais, shoppings e outros empreendimentos movidos pela energia elétrica. Uma por uma, essas “Usinas de Luz” ajudam a abrir portas para oportunidades e benefícios de um povo. É a tecnologia movendo destinos. O Piauí, que teve o seu efetivo início de desenvolvimento em 7 de abril de 1970, com o advento da Usina Boa Esperança, agora através da Chesf e ContourGlobal passa a ser um âncora na geração eólica do nosso país”, declarou Airton Freitas Feitosa.
Fonte: Meionorte