sábado, 4 de julho de 2015

Marcos Elvas rebate denúncias sobre acusação de corrupção na prefeitura de Bom Jesus

Marcos Elvas, prefeito de Bom Jesus
‘Nunca Bom Jesus teve administração tão correta’, rebate prefeito

Entendo que diante das calúnias de que estou sendo vítima devo explicações ao povo de Bom Jesus. Vamos à elas:
Em resposta à reportagem do último dia 1° de julho, sobre supostas investigação da Receita Federal na prefeitura de Bom Jesus, o prefeito Marcos Elvas rebate e aponta a total falta de base nas acusações. “Nunca Bom Jesus teve uma administração tão correta”, diz Elvas, acrescentando que as denúncias “são fruto ou da ignorância ou da má fé”.

Essa afirmação ele faz tendo em conta que a denúncia tenta dar ar de verdade arrolando provas que provam exatamente o contrário: a correção da administração municipal e o tamanho da mentira por trás da tal denúncia.

Marcos Elvas destaca os dois pontos enfatizados pela reportagem:

Mentira sobre servidores
Na matéria, diz-se que a PMBJ teria informado pelo Tribunal de Contas uma lista de mais de 500 prestadores de serviços, enquanto para a Receita Federal, apenas 100. A “prova” apresentada na matéria é a foto de uma lista apresentada pelo Tribunal de Contas. “Ou o denunciante não soube ler a lista ou usou de escandalosa má fé”, observa o prefeito. Como se vê na própria foto da matéria, trata-se da lista de todos os credores do município, Pessoa Física, em todo o ano de 2013, e não apenas prestadores de serviços. Consta, por exemplo, o nome do fornecedor de quentinhas, do dono de um imóvel alugado à prefeitura, proprietário que vendeu um terreno para a prefeitura ou algum servidor que recebeu diária. “Confundir credor Pessoa Física com prestador de serviço só pode ser visto como uma grande ignorância ou uma enorme má fé”, diz.
Mentira sobre recolhimento
A matéria tenta apontar indícios de sonegação, dizendo que a Prefeitura recolhe à Previdência pouco mais de R$ 61 mil por mês. Outra vez mentem e omitem. O valor referido é apenas uma das três GFIPs pagas ao INSS – a da Administração; a ela se soma ainda as da Educação e da Saúde.
Omitem ainda o relevante fato do Município de Bom Jesus ter previdência própria, o BomPrev, que ampara todos os funcionários efetivos. Os não efetivos recolhem para o INSS. Nos dois casos, o valor recolhido é muito superior ao informado pela matéria. Vamos aos números.
Em 2013, o Município de Bom Jesus recolheu mais de R$ 2,8 milhões para cobertura previdenciária, sendo R$ 895,2 mil para o INSS e R$ 1,97 milhão para o BomPrev. A média de recolhimento à previdência foi de cerca de R$ 239 mil por mês, o que significou 7,37% do total das Receitas Correntes Líquidas do Município.
Em 2014, o desembolso do Município com a cobertura previdenciária dos servidores foi ainda maior. No total, somou R$ 4,9 milhões, sendo cerca de R$ 2,5 milhões através do INSS e R$ 2,4 milhões para o BomPrev. A média mensal foi de R$ 408 mil. Esse desembolso teve maior impacto nas receitas do Município, correspondendo a 10% das Receitas Correntes Líquidas.
De janeiro a abril de 2015, o Município já investiu R$ 1,8 milhão com o recolhimento previdenciário, sendo R$ 829 mil do INSS e R$ 980 mil do BomPrev. O desembolso foi, em média, de R$ 452 mil mensais. Somente o valor correspondente ao mês de abril de 2015 pago ao INSS foi de R$ 191 mil.
Marcos Elvas destaca a transparência de sua administração. “Como gestores, estamos sempre abertos e colaborando com os órgãos de controle. E sempre disponíveis para a imprensa que esteja disposta a nos ouvir”.

O texto foi publicado pelo prefeito Marcos Elvas em sua página na rede Facebook no dia 03/06/2015. 


Fonte: Marcos Elvas