domingo, 27 de setembro de 2015

Sete são presos por envolvimento em crime bárbaro em Parnaguá

delegado Moisés Aragão Linhares
Sete pessoas foram presas, desde a manhã de sexta-feira (25/09), suspeitas de planejar e de por à termo o homicídio de Valdinê Lima da Silva, 37 anos, na noite da última quinta-feira, 24 de setembro. O homem teria sido atraído para o local do crime, às margens da PI 255, na localidade de Baixão dos Tatus, entre os municípios de Parnaguá e Curimatá, pela sua ex-companheira Regina de Carvalho, 20 anos, que alegara que o filho do casal necessitaria de remédios. Ao chegar ao local do crime, Valdinê foi atingido com um tiro de espingarda bate-bucha, que o acertou na cabeça e por 14 golpes de facão.
O delegado Moisés Aragão Linhares, responsável pelo caso, afirma que o homicídio teria sido planejado pelo ex-sogro do rapaz, Pedro Segundo Filho, ou Pedro Tatu, como é mais conhecido. “Esse Pedro induziu a filha a atrair o rapaz para o local do crime e ao chegar, sabe-se que Valdinê levou um tiro na cabeça, desferido por Cícero Germano da Silva, e que ainda teria tentado fugir, mesmo ferido, mas levou 14 golpes de facão e morreu. O detalhe é que este facão tem aproximadamente 50cm de lâmina e foi amolado dos dois lados, como um punhal. A brutalidade dos golpes foi tão grande que a vítima chegou a ser transpassada pela arma”, relata o delegado.
Após tirarem a vida de Valdinê, o corpo foi envolvido em uma rede e arrastado cerca de 60 metros até ser escondido na mata. Os executores fugiram do local do crime, sendo um deles encontrado 20 quilômetros adentro nas matas de Parnaguá, num local ermo onde atuam carvoarias clandestinas. Lá, Cícero Germano da Silva foi preso.
Já Pedro Segundo Filho fugiu para Curimatá na moto da vítima, que foi totalmente descaracterizada. Na cidade foi acolhido por um conhecido seu, um comerciante local, que lhe deu café, pois estava embriagado, e o abrigou em sua residência. Na manhã seguinte empreendeu fuga e até o momento não foi localizado pela polícia.
Todas as pessoas envolvidas foram presas, desde os que ajudaram a ocultar o cadáver quanto os que ajudaram na fuga dos homicidas. “O que chama atenção é a premeditação do crime e a forma como esse Pedro envolveu diversas pessoas, inclusive os próprios filhos, com o claro objetivo de dispersar a ação policial. Quanto ao motivo até agora não encontramos um fato que justifique a brutalidade da ação, apenas declarações desconexas entre os envolvidos. Outro fato que chama atenção é a frieza de todos que participaram do crime. Depois de receber o tiro, Valdinê saiu correndo e levou os golpes que o transpassaram, por trás, desferidos por Pedro. Chama atenção também a ex-companheira da vítima, que relatou o crime com riqueza de detalhes, sem se abalar”, conta o delegado.
Na noite deste sábado a polícia efetuou diligência no interior dos municípios de Parnaguá e Curimatá e nos municípios de Santa Rita de Cássia e Formosa do Rio Preto, no estado da Bahia, com o objetivo de localizar o foragido.
Durante todo o domingo foram colhidos os depoimentos dos suspeitos de participarem do crime, presos na 10ª Delegacia Regional de Corrente.
“Segundo depoimento dos envolvidos, Pedro Segundo Filho, ou Pedro Tatu, está sem dinheiro e com um ferimento próximo ao punho, no braço esquerdo, o que nos dá a certeza de que a vítima ainda tentou se defender. As diligências continuarão a ser efetuadas, até que encontremos o acusado”, declarou o delegado. O Tenente Mário e o Soldado Paulo Cezar Ribeiro, da Polícia Militar de Parnaguá, tiveram participação decisiva nas diligências realizadas na região.


Fonte: Portal Corrente