quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Exportações do Piauí vivem oportunidade e não crise

A balança comercial do Piauí teve saldo positivo de US$ 253,68 milhões, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Os dados são referentes ao acumulado de janeiro a setembro de 2015.

O saldo é a diferença das vendas dos produtos piauienses para o exterior no valor de US$ 351,75 milhões – menos o resultado das importações no mesmo período, que atingiram o montante de US$ 98,07 milhões.

De acordo com o MDIC, 97,82% dos produtos que saem do Piauí para o exterior são bens primários, sendo 78,45% destinados a alimentos e bebidas para a indústria e 19,36% para insumos industriais - são os chamados commodities. Como as ofertas destes produtos cresceram muito, a tendência era o mercado internacional baixarem os seus preços e, desde o final do ano passado e se estendendo até o começo deste ano, vinha gerando uma preocupação muito grande por parte dos nossos empresários do ramo, alguns chegaram a estocar mercadorias esperando melhores preços que não vieram. Entretanto, houve a compensação que para eles foi muito bom, que foi a valorização do dólar, uma vez que nos últimos 6 meses o aumento da moeda americana subiu mais de 30%.

Os empresários do Piauí que também, tradicionalmente, importavam bens intermediários como aço, trigo, insumos agrícolas, medicamentos e outros tiveram que botar o pé no freio e com isso fizeram com que as compras do exterior tivessem uma redução de 53,26% no acumulado de janeiro a setembro de 2015, comparadas com as do mesmo período de 2014. Enquanto isso, as exportações cresceram 60,40% passando de US$ 219.294.646 no acumulado dos 9 meses do ano passado para US$ 351.746.287 no corrente ano.

O gráfico, elaborado pela FECOMERCIO-PI, com dados do MDIC mostra que de janeiro a abril de 2015 as importações do Piauí estavam acima das exportações, porém a partir do mês de maio as vendas para o exterior suplantaram as compras, indo até setembro com desempenho extraordinário.

Dessa forma, o Piauí com este volume de exportação no acumulado de janeiro a setembro fica em 20º lugar no ranking dos Estados Brasileiros. Neste sentido, os Estados que venderam menos, neste período, foram Roraima US$ 6.581.891, Acre, US$ 13.490.845, Sergipe, US$ 65.578.121, Paraíba, US$ 104.390.978, Amapá US$ 183.510.542 Distrito Federal, US$ 212.326.508 e Rio Grande do Norte, 210.691.679.

Para o Presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Piauí, Francisco Valdeci Cavalcante, apenas cinco estados da Federação tiveram variação positiva nas exportações, neste período, o estado do Acre que cresceu 143,63%, o Piauí com 60,40%, Maranhão com 24,40%, Rio Grande do Norte com 26,88%, e Sergipe com 11,84%. Embora a taxa de cambio esteja favorável às exportações não houve crescimento nas vendas para o exterior nos outros Estados.

O principal mercado consumidor internacional de nossos produtos é a China com 59,11%. Segue com a Espanha (7,83%), Estados Unidos (5,37%), Japão (4,40%), França (2,84%), Holanda (2,82%) e Reino Unido (2,63%).

Ainda com base nas informações do MDIC a soja é o principal produto de exportação, representando 78,45% de todas as mercadorias enviadas ao Exterior. Em seguida vem a Cera de Carnaúba (12,01%), algodão (3,44%), Mel de Abelha (1,95%) e Milho em Grãos (1,39%).
Fonte: Ascom