segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

PERIGO! Trecho inacabado da BR-235 vem causando seguidos acidentes

Perigo! Sem placa indicando o início de trecho de estrada de terra, motoristas desavisados se envolvem em acidentes

Chamamos a atenção de todos que trafegam pela BR-235/PI, subtrecho Gilbués/Santa Filomena, para o enorme perigo que existe a partir do quilômetro 118, entre a localidade Campeira e a zona urbana de Santa Filomena, nos últimos 10 quilômetros da rodovia.

A falta de sinalização indicando o final do trecho pavimentado e o início da estrada de terra pode ser um dos motivos para os vários acidentes graves que têm ocorrido nos últimos dias. 

Além disso, os 10 quilômetros não pavimentados contêm pedras soltas, trepidação e buracos, provocados pelo trafego intenso, principalmente de carretas e de outros veículos pesados.

Talvez por não conhecerem o trecho da estrada e dirigirem em altas velocidades, sem se darem conta dos riscos que a pista lhes oferece, diversos acidentes com automóveis foram verificados nos últimos dias. Um deles aconteceu na tarde da última sexta-feira (18), quando um Fiat Strada, de placas JKD 3927/DF, tombou nas proximidades da localidade Baixa da Califórnia. Felizmente, a família que vinha de Brasília/DF sofreu apenas ferimentos leves.

Uma das vítimas foi o condutor dessa pick-up Fiat Strada, proveniente de Brasília, que capotou no lugar Baixa da Califórnia
No dia seguinte, sábado (19), um automóvel Renault Sandero, também procedente de Brasília, capotou logo na entrada do trecho “piçarrado”, na localidade Campeira. Provavelmente o motorista desenvolvia alta velocidade e se atrapalhou ao entrar na pista cascalhada.

Os usuários da BR-235/PI (estrada Gilbués/Santa Filomena), que circulam por ela com ou sem freqüência, se dizem com medo devido ao grande risco que correm ao passar pela rodovia. É bem pequena a parte, apenas 10 km de extensão. Porém, alguns condutores desavisados se aproximam do local em alta velocidade e perdem o controle ao entrarem no trecho de terra.

Existem várias notícias - nenhuma oficial - dando conta de que a firma responsável vai voltar para concluir a obra. Pela necessidade, é preciso que a primeira providência seja mesmo a conclusão desses pedaços da obra (também a ladeira das Novas) que estão inacabados.

Fonte: GP1