domingo, 31 de janeiro de 2016

Agronegócio no estado do Piauí ganha destaque

Agronegócio (Foto:Paulo Barros)

De maneira geral, as bases que sustentam o agronegócio são terras produtivas, infraestrutura e logística para escoamento da produção, além de uma política eficaz de incentivos fiscais, bem como acesso ao crédito. É seguindo esses pilares que o Piauí tem atingido resultados elevados em produção e, principalmente, em produtividade nas últimas safras agrícolas.
Segundo dados do 6º Levantamento de Grãos da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) a produção agrícola no Estado referente a safra 2010/2011 deve ser superior a 2,3 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 68,4% em relação à safra anterior que fechou com 1,384 milhões de toneladas produzidas. A produtividade deverá passar de 1,370 mil quilos por hectare para mais de 2 mil quilos.
O crescimento maior se deu na região dos Cerrados Piauienses onde os produtos obtiveram índices de aumento consideráveis em relação à safra 2009/2010: feijão 253,1%, algodão 183,1%, arroz 159, 2%, milho 102,3%, e soja 34,4%.
O agronegócio soja e seu arranjo produtivo no Piauí deve ser visto com mais atenção, uma vez que o Estado é considerado a última fronteira agrícola do país. Isso fica evidente quando se compara números, já que no ano de 1985 foram produzidas 142 toneladas em 221 hectares. Em dez anos, a produção cresceu para 20.296 toneladas em 8.635 hectares, e no ano de 2006 a produção chegou a 528.459 toneladas em 216.209 hectares. A expectativa é que em 2011 a produção seja de 1.167,3 toneladas. A área atrai produtores de todo o Brasil, principalmente do sul do país, que já se estabeleceram na região e estão aproveitando as políticas públicas e incentivos fiscais desenvolvidas pelo Estado e a excelente localização da região que facilita o desenvolvimento da cadeia produtiva desde a plantação até a sua chegada ao mercado externo.
A diversidade da florada da Caatinga do Piauí é um dos motivos que garante a qualidade do mel produzido no Estado. A procura pela mel piauiense está cada vez maior principalmente depois que o produto conquistou a certificação orgânica, concedida pela certificadora alemã Flor-Cert, líder no mercado.
Na região de São Raimundo Nonato, sul do Piauí, a apicultura está mudando a forma de pensar do sertanejo, que hoje tem na produção e comercialização do mel a sua principal atividade econômica.
De acordo com dados da Cepro – Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí, em 2006 foram exportados 1.939.92 toneladas de mel, enquanto em 2009 esse número subiu para 2.533.519.
O governo do Estado, incentiva essa atividade através programas como a Casa do Mel, que oferece infraestrutura para que o apicultor possa garantir sua produção.
Piscicultura
Outra frente de trabalho que está ganhando cada vez mais espaço no Piauí é a piscicultura. O município de Bocaína, a 330 quilômetros de Teresina é um bom exemplo disso. O lago de 1,1 mil hectares é utilizado como criatório, principalmente da Tilápia e já conta com uma produção de 300 toneladas de peixe, de acordo com a Cooperativa Aquícola da Região de Picos, que reúne criadores de peixes que trabalham na barragem de Bocaina.

 
 Fonte: CCOM PI