quinta-feira, 5 de maio de 2016

Bandidos explodem agência do Banco do Brasil de Curimatá

Agência do Banco do Brasil de Curimatá
Atualizada às 11:27

As diligências continuam na mata e os policiais conseguiram recuperar duas armas de grosso calibre que estavam sendo utilizadas pelos assaltantes.

Atualizada às 10:33h


Durante as buscas ao restante do grupo, outro assaltante foi morto em confronto com policiais em uma mata na região próxima à cidade de Curimatá. Outras duas pessoas também foram presas e atuavam dando apoio à quadrilha. 

Um grupo do Bope, Greco, Força Tática, além do CPAC, composto por policiais militares especializados do estado da Bahia estão trabalhando em conjunto para prender os integrantes da associação criminosa.

Uma quadrilha interestadual explodiu agência do Banco do Brasil da cidade de Curimatá, região sul do Estado, no início da madrugada desta quinta-feira (05), e durante confronto com a polícia um dos bandidos acabou morto.

De acordo com o Secretário de Segurança Pública do Piauí, Fábio Abreu, a Polícia Civil do Piauí recebeu informações que um grupo de assaltantes da Bahia havia se deslocado para região sul piauiense e, desde então, foram deslocadas equipes para fazer o mapeamento dos possíveis locais que o bando poderia atuar. “Há cinco dias nós fomos informados e mandamos policiais do Greco, Bope, Força Tática de Bom Jesus, Corrente e Curimatá, onde havia uma movimentação maior. Então, por volta de meia-noite, os assaltantes invadiram a agência, nós tomamos conhecimento e mandamos o apoio policial para Curimatá. Houve confronto e um dos bandidos foi a óbito no local. Uma pessoa que dava apoio na cidade de Avelino Lopes foi presa”, explicou o secretário. Ainda de acordo com o secretário Fábio Abreu, durante a fuga oito homens divididos em dois grupos levaram duas pessoas como reféns, mas as liberaram logo depois. “Nesse momento, os bandidos estão sem logística, os dois carros que eles andavam foram abandonados e a fuga continuou na mata. Nós fizemos um cerco policial e acreditamos que vamos encontrá-los, pela condição deles, alguns estão feridos e eles não podem ir muito longe”, acrescentou.

As investigações realizadas pela Polícia Civil da Bahia tiveram início depois de um assalto em que o mesmo grupo atuou no estado vizinho. “Essas pessoas pertencem à família Aracuã, bastante conhecida na Bahia. Essas informações já foram levantadas pela polícia da Bahia, no sentido de identificar esses indivíduos”, completou.


Fonte: GP1