segunda-feira, 20 de junho de 2016

ex-prefeito Valdecir Junior relata que foi agredido pelo prefeito Reidan Kleber

O ex-prefeito de Curimatá, Valdecir Júnior, relatou que foi "covardemente massacrado com socos e pontapés" pelo prefeito Reidan Kléber, da cidade de Curimatá, durante uma festa de vaquejada na cidade de Parnaguá.
Ele descreve os momentos de terror vivido e que foi agredido sem poder, ao menos, se defender. Disse ainda que além de Reidan, outros três comparsas do prefeito, sendo um deles funcionário público, participaram das agressões, segurando-o para que não pudesse reagir.
"Aconteceu ontem em Parnaguá em uma festa de vaquejada. Ao adentrar ao clube fui informado que o prefeito Reidan estava zangado porque a banda Real Som se recusava a anunciar sua presença. A banda não anunciava porque ele, Reidan, nunca foi parceiro dela, então, não se sentia na obrigação de anunciar a presença do prefeito. Neste momento fui informado que a banda ia anunciar o meu nome e assim fez. Logo após o anúncio eu me dirigi ao centro do clube, onde fica um dos donos da banda, para falar com ele. Perguntei, a pedido do prefeito de Júlio Borges, quanto custava o show deles. Instantes depois ouvi uma voz me chamando e eu reconheci que era o Reidan. Eu, então, me virei para falar com ele. Neste instante, ele, covardemente, me deu um soco no rosto. Logo em seguida outros três comparsas dele, sendo um chefe da limpeza pública de Curimatá, o filho de uma ex-vereadora e o filho de um vaqueiro de Reidan me seguraram e Reidan desferiu vários socos. Fui massacrado sem poder me defender. Só após perceberem o tumulto é que meu motorista e outros amigos meus foram até lá e empurraram os agressores e eu me livrei. Fui para um outro local botar gelo na boca, nariz, no rosto e no olho e fiquei de costas para o público. Neste instante, Reidan ainda foi até lá e me deu um soco na nuca. Forma momentos terríveis", afirma o ex-prefeito e advogado Valdecir Júnior.
MOTIVAÇÃO
Valdecir Júnior, que é pré-candidato a prefeito em Curimatá, afirma que essa agressão se dá ao fato de as últimas pesquisas feitas na cidade terem lhe apontado com mais de 60% dos votos. "Ele está desesperado e pelo que mostrou ontem, completamente fora de si. Eles não estão com medo de nada", ponderou o advogado.
OMISSÃO
Durante as agressões que sofreu Valdecir Júnior cita que a Polícia Militar não fez nada. "Lá tinham alguns policiais que poderiam ter dado o flagrante no prefeito, mas não fizeram. Senti que ficaram receosos em dar o flagrante porque o prefeito estava na mesa da prefeita de Parnaguá e do deputado Gustavo Neiva.
VEJA O BOLETIM DE OCORRÊNCIASbo.png
Fonte: 180graus