segunda-feira, 11 de julho de 2016

CGE-PI revela centenas de servidores com situação irregular no Piauí

Uma análise feita pela Controladoria Geral do Estado (CGE-PI) nas secretarias de Saúde, Segurança e Educação revelou que 407 servidores estão na folha de pagamento ocupando cargos com horário incompatível e 102 funcionários tem vínculos incompatíveis, ou seja, foram contratados para trabalhar em áreas diferentes. Além disso, 83 servidores apenas da Secretaria de Saúde foram encontrados com três vínculos empregatícios, gerando uma despesa de R$ 480 mil aos cofres do estado.

A CGE-PI descobriu ainda que 703 servidores recebem gratificações com valor acima do limite legal, gerando um prejuízo de R$ 129 mil ao estado. “A CGE faz a decteção e repassa para a secretaria de Administração, que é a gestora da folha do estado”, disse Nuno Bernardes, controlador geral do estado.
A auditoria com as irregularidades foi encaminhada para a Secretaria de Administração, que afirma estar tomando providências para enxugar a folha e evitar mais prejuízos para o estado. No mês passado foi criado o setor de auditoria permanente da folha, para evitar novas contratações irregulares. Segundo a secretaria, 2.816 servidores têm vinculo com a Prefeitura de Teresina e 6.032 com as prefeituras do interior.
“A lógica é manter a folha de pagamento organizada para evitar que ocorram irregularidades e distorções dentro da folha. No recadastramento nós tivemos uma economia de R$ 1,5 milhão, sendo aquelas pessoas que não compareceram. Fizemos um cruzamento com a folha da Prefeitura de Teresina e detectamos que 2.816 servidores estavam nas duas, estado e município, sendo que 17 pediram exoneração e o restante em respondem a processos administrativos. Estamos fazendo um conjunto de medidas para buscar melhorar e economia do estado”, afirmou Franzé Silva, secretário da Fazenda do Piauí.

O Sindicato dos Servidores em Educação disse ser a favor das exonerações, mas questiona o governo sobre os números de contratações irregulares.
Fonte: G1