quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Boa governança exige competência, transparência e criatividade, diz auditor do TCE

 As mudanças sociais e culturais ocorridas no mundo nos últimos anos, muitas delas resultado da revolução na tecnologia da informação do final do século XX e início do século XXI, exigem dos homens públicos não apenas boa vontade e competência para administrar, mas sobretudo capacidade de ouvir, agir com transparência e compartilhar problemas e soluções com inteligência e criatividade.
Essa premissa foi defendida pelo auditor de controle externo José Inaldo Oliveira, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI), durante o XXXI Seminário de Formação de Controladores Sociais e Ouvidoria Itinerante, realizado pelo TCE-PI nos dias 28 e 29 de julho, em Uruçuí (450 quilômetros ao sul de Teresina). Realizado pelo TCE-PI por meio da Escola de Gestão e Controle (EGC), o seminário reuniu prefeitos, secretários municipais, vereadores, dirigentes sindicais e representantes do Ministério Público e de entidades sociais de Uruçuí e municípios vizinhos.
O presidente e o vice-presidente do TCE-PI, conselheiros Luciano Nunes e Olavo Rebelo, auditores de controle externo e servidores do Tribunal também participaram do evento, que incluiu palestras e minicursos sobre temas diversos, com o objetivo de qualificar gestores públicos e formar cidadãos e representantes da sociedade civil para o controle social da administração pública. José Inaldo Oliveira falou sobre “Gestão e Governança – o que é ser um bom governante”.
Ele disse que a gestão pública exige de seus líderes discernimento, bom senso, cooperação e a disposição permanente para a mudança. “O governo bom é o governo que se faz necessário, que age e decide em função do coletivo, do que é melhor para todos. Para isso, é preciso que ele saiba ouvir, compartilhar decisões, ser transparente e liderar com inteligência e criatividade”, defendeu.
Segundo ele, a boa gestão tem como fundamentos a inovação e a criatividade, capacitação contínua e permanente. Também destacou a elaboração de plano estratégico que defina objetivos e metas e reúna indicadores que possam servir de referenciais para a administração. 

Fonte: TCE-PI