sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Estado cruza folha com municípios e identifica 6.032 casos de irregularidades

 Franzé Silva, secretário de Administração
A Secretaria de Estado da Administração e Previdência do Piauí cruzou informações da folha de pagamento das 223 prefeituras de municípios do interior e identificou 6.032 casos de irregularidades que estão sendo investigados em processos administrativos. O cruzamento de dados é consequência do recadastramento de servidores que o Governo do Estado fez em 2015 e tem entre os objetivos suspender pagamentos que estejam ilegais. No cruzamento da folha de pagamento estadual com a Prefeitura de Teresina, que já está em processo de conclusão, de um total de 2.816 servidores examinados, 17 já pediram exoneração e as matrículas já foram desativadas; dois foram demitidos pela Procuradoria Geral do Estado; 16 processos foram suspensos de professores substitutos e servidores de licença saúde. Com o cruzamento, o Estado do Piauí já fez uma economia mensal de R$ 50.941,02 na folha de pagamento. 
Segundo levantamento realizado pela Seadprev com os dados de Teresina, 318 processos foram considerados regulares e 717 foram instruídos, mas estão pendentes de análise pela comissão responsável. Entre os já considerados irregulares, 97 foram enviados a Procuradoria Geral do Estado para instaurar processo administrativo. 58 já foram instruídos, mas pendentes de parecer jurídico da PGE; 15 foram instruídos e aguardando exoneração. 
O secretário de Administração, Franzé Silva, informou que as notificações tem o objetivo de levarem esses servidores a Secretaria, para que haja continuação nos processos. Ele acrescenta que já foram detectados casos emq eu a situação foi regularizada e em outros, houve demissão. "Queremos é deixar bem claro para a população piauiense que a nossa lógica é estar melhorando o serviço público e buscando legalidade dentro da folha", diz Franzé. 
O cruzamento é uma forma do Governo cortar gastos irregulares com pessoal e manter-se fora dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O Piauí tem até o final do ano para sair do limite prudencial e para isso, aposta na suspensão de pagamentos a servidores que estão recebendo salários de forma irregular.

Fonte: Jornal O Dia