quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Reidan Kléber nega acusações feitas por Valdecir Júnior

Prefeito Reidan Kleber Maia de Oliveira
O prefeito de Curimatá, Reidan Kléber, esclareceu nesta quarta-feira (17), a denúncia enviada ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), apresentada pelo candidato a prefeito, Valdecir Júnior, onde ele é acusado de cometer diversas irregularidades no âmbito da administração do município.  O gestor alega que não há irregularidades em sua administração e que a denúncia “não passa de questões políticas de nossos adversários”.
Reidan afirmou que Valdecir Júnior está se valendo de influência sobre uma funcionária do Tribunal de Contas, com quem tem um relacionamento, para fazer denúncias ao TCE. “O próprio Tribunal de Contas já fez três inspeções na prefeitura, a CGU fez uma e, até hoje, não foi encontrado irregularidade na nossa administração. Processo nenhum tramita dentro de um Tribunal em oito dias, ou seja, essa representação que ele [Valdecir Júnior] fez, simplesmente é com ajuda de uma funcionária do Tribunal de Contas que é namorada dele, onde acha que vai me prejudicar”, declarou o prefeito. O prefeito Reidan também falou sobre as acusações feitas a sua irmã, Luanda Kássia Maia de Oliveira, que de acordo com a denúncia, construiu um imóvel com pontos comercias e quitinetes para aluguel após o prefeito assumir o cargo.
E-Contas
Gilson Barbosa de Oliveira, representante legal da empresa de contabilidade E-Contas, que presta serviços para a Prefeitura de Curimatá, também se pronunciou sobre a denúncia. De acordo com Valdecir Júnior, a empresa foi contratada pela Prefeitura de Curimatá sem a realização de procedimento licitatório e após a posse de Reidan como prefeito, a E-Contas apresentou uma impressionante ascensão, construindo imóvel comercial que hoje, figura como o mais caro da cidade.
Gilson Barbosa negou as acusações afirmou que “Valdecir Júnior é um desequilibrado”. “Essa denúncia não tem fundamento porque nossa denúncia existe há tempos, a gente vem trabalhando no ramo de contabilidade. Quando a gente adquiriu esse terreno o Reidan nem prefeito era, nós construímos esse prédio com recursos próprios, com financiamento do banco BNDS e Banco do Brasil, não teve qualquer benefício da Prefeitura de Curimatá. Essa obra é fruto do nosso trabalho”, esclareceu Gilson, que ainda afirmou o valor da obra “não chega nem a metade do citado na denúncia”.
“Ele cita minha irmã, que mora em Brasília e dizendo que ela não tem emprego. Minha irmã tem como provar tudo. O marido dela trabalha em empresa há anos, adquiriu isso eu não era nem vereador. A prefeitura não tem o que temer. Porque está chegando o período eleitoral, as pessoas querem macular a imagem das pessoas”, destacou. 
Aureliano Nunes Viana Filho
Aureliano Nunes Viana Filho, empresário do ramo alimentício e cunhado de Reidan, também se pronunciou sobre o caso. Na representação ao TCE, Valdecir Júnior afirmou que Aureliano é o responsável pela distribuição de quentinhas aos órgãos da administração municipal e que sua esposa, Edna Maria, controladora da prefeitura de Curimatá, sofria de dificuldades financeiras e a após a posse do irmão como prefeito construiu um prédio em uma das áreas mais nobres da cidade.
Em nota, Aureliano ressaltou que Valdecir Júnior responde a 19 ações de improbidade administrativa decorrente de seus “mandos e desmandos a frente do Poder Executivo nos 02 pleitos que foi Prefeito Municipal”.
O empresário esclareceu que não fornece qualquer tipo de alimento ao Município de Curimatá e que possui um restaurante conhecido na cidade, que funciona no prédio citado na denúncia de Valdecir. “Iniciamos nossa construção há intrínsecos anos (há mais de 08 anos do mandato de Reidan Kleber), construindo de forma gradual, apertando aqui e acolá, enxugando o já apertado orçamento familiar, sendo que ainda não terminamos, é uma construção inacabada. Some-se a isto o fato de minha esposa auxiliar-me com suas rendas de servidora pública e os empréstimos por nos contraídos”, disse.
Aureliano ainda afirmou que a denúncia de Valdecir Júnior é fruto de inveja. “Não podemos deixar de olvidar que percebemos um dos piores pecados capitais, ao nosso ver, INVEJA, nas denúncias do candidato VALDECIR JUNIOR, por este ter origem mais, aliais, bem mais abastada que a nossa, pois, somos de origem humilde, e aquele ter sua gênesis em família mais “tradicional” (em sua miopia), inclusive com seu avô e pai sendo alcaides da cidade alhures”, declarou.
Fonte: GP1