quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Corregedor culpa Dias por TSE negar envio de tropas federais nas eleições

 Edvaldo Moura, corregedor do Tribunal Regional Eleitoral
O corregedor Edvaldo Moura, do Tribunal Regional Eleitoral, culpou o governador Wellington Dias pela negativa do Tribunal Superior Eleitoral sobre enviar o reforço de tropas federais para fazer a segurança durante as eleições. A denúncia foi feita hoje, na sede do TRE, em reunião para definir as estratégias para a segurança das cidades durante o pleito.
Segundo o corregedor, Wellington enviou um oficio para o TSE afirmando que as forças de segurança do Piauí eram capazes de manter a segurança durante as eleições. Edvaldo Moura disse que sem o reforço das tropas federais, as cidades serão tomadas pelo caos. O corregedor chegou a afirmar que se não viessem os reforços, iria abandonar a eleição.
Juízes eleitorais de cidades pelo interior do Piauí fizeram solicitações para o TRE por reforço de tropas federais durante o pleito para 53 zonas eleitorais, que correspondem a 153 municípios, 68,3% das cidades piauienses.
 A solicitação é então enviada para o TSE, em Brasília, que pediu uma manifestação do Governo do Estado sobre os pedidos. O governador teria então respondido que o Estado é capaz de fazer a segurança.
O secretário de Segurança Fábio Abreu defendeu a posição do governador. “Vamos analisar esse ofício, mas tenho plena certeza de que o governador não orientou essa questão de dispensar o reforço. A pergunta é: temos condições de manter o pleito? Temos. Agora se tiver o apoio em alguns locais de acordo com a solicitação da Justiça, nós agradecemos e estamos apoiando”, disse o secretário.
Ele explica que as tropas federais vem como um apoio, e não para substituir o policiamento. “Mas caso tenhamos esse apoio, é importante. Mas caso não haja, nós temos condições de fazer as eleições com o que temos de policiais”, disse.
Fábio Abreu disse que os policiais militares enviados para fazer reforço das Olimpíadas Rio 2016 estão à disposição, e afirma que há homens suficientes para manterá segurança nas eleições municipais. “Talvez tivéssemos alguma dificuldade se nós não tivéssemos nomeado mais de 800 policiais militares como fizemos esse ano, e temos a possibilidade de nomear mais 100 policiais civis, todos voltados somente para a eleição”, argumenta o secretário. Segundo ele, quinta-feira(22) será divulgada a data da nomeação dos policiais civis. 
Fonte: Portal O Dia