segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Relatório aponta Piauí como estado que mais gera emprego no país

Dados coletados pela Relação Anual de Informações Sociais (Rais) no ano de 2015, do Ministério do Trabalho Emprego e Previdência Social, apontam que o Piauí foi o estado com o saldo mais positivo na criação de empregos formais no país. A pesquisa foi divulgada na sexta-feira (16), e ressalta que o Piauí formalizou, somente no ano passado, 3.046 vagas. Mesmo antes de 2015, o único ano no qual o Piauí não ultrapassou a faixa de formalização acima dos 10 mil empregos foi em 2007, com apenas 5.583. Segundo o recorte geográfico, os dados mostram que as três unidades da Federação com crescimento positivo no ano foram o Piauí com (+ 3,0 mil postos ou +0,67%), Acre (+2,8 mil postos ou +2,14%); e Roraima (+2,2 mil postos ou +2,38%). Nos outros estados, houve queda no nível de empregabilidade.  As quedas maiores foram na região Sudeste (-900,3 mil postos), no Nordeste (-233,6 mil postos) e no Sul (-217,2 mil postos).
No Piauí, os setores que mais empregaram foi o de serviços (9.242) e comércio (3.109), com 12.351 contratações. Com relação aos números por sexo e escolaridade, 208.719 mulheres foram contratadas, dessas, apenas 68.941 tinham o ensino superior completo. Sobre a faixa etária, as pessoas com 30 a 39 anos são as mais contratadas.
O secretário de Estado do Trabalho e Empreendedorismo, Gessivaldo Isaías, comemora o crescimento dos números de empregabilidade do estado e ressalta a importância das ações da Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Setre) para esses resultados. “Nosso dever é trabalhar para que o nosso estado cresça na economia e no ramo de empregos e serviços. Com a pesquisa, vimos que os trabalhos voltados à qualificação profissional e ao empreendedorismo têm ajudado bastante a nossa população”, conclui o gestor.
O número de empregados em relação às Pessoas com Deficiência (PCD) cresceu 5,75%, resultando em um acréscimo de 22 mil empregos, em comparação com 2014. Com esse resultado, o universo formal passou a contar com 403,2 mil vínculos com PCD, o que corresponde a um percentual de 0,84% do total dos vínculos empregatícios da Rais 2015.
Rais
A Rais foi instituído pelo decreto nº 76.900/75, que obriga as empresas a prestarem declaração anual ao MTE. A cobertura abrange o universo dos empregados celetistas, estatutários, avulsos, temporários, dentre outros. As informações são separadas por dados de remuneração, grau de instrução, ocupação, nacionalidade, além de setores de atividade econômica, área geográfica e outras.
É um instrumento utilizado pelo governo para identificar os trabalhadores com direito ao recebimento de abono salarial. Os dados são compartilhados e servem de apoio para estudo e execução de diversas ações governamentais, como a fiscalização trabalhista, a gestão do FGTS, dos beneficiários da previdência e da assistência social. A Setre é também uma das instituições do estado que trabalha para auxiliar no crescimento da economia e da empregabilidade por meio do fortalecimento do empreendedorismo, qualificações profissionais e ofertas de empregos.
As informações da Rais ainda permitem o controle da mão de obra estrangeira no país, auxilia na definição das políticas de formação de mão de obra, gerando estatísticas sobre demanda e oferta de emprego no mercado de trabalho formal. Ao todo, foram 8,3 milhões de estabelecimentos que declaram a Rais no país.
Fonte: CCOM