domingo, 23 de abril de 2017

Indícios de suicídio nas redes sociais preocupam pais e psicólogos

“Alguns jovens usam as redes sociais para colocar mensagens subliminares, dando sinais do seu sofrimento, mas as pessoas que estão em volta não se dão conta”. A afirmação é da psicóloga especialista em prevenção ao suicídio juvenil, Cinthya Araújo. A psicóloga alerta os pais e familiares sobre a exposição de sinais de sofrimento e angústia por adolescentes nas redes sociais, que podem ser interpretados como um pedido de ajuda ou até um sinal de que o adolescente pretende atentar contra a própria vida.
No Piauí, no último mês, pelo menos três jovens anunciaram nas redes sociais a ideação suicida, sendo dois no Facebook e um no aplicativo Instagram. Destes, apenas uma tentativa de suicídio conseguiu ser evitada pela família. O jovem, morador do interior do Piauí, despediu-se através do Facebook e informou o que havia feito para tentar tirar a sua vida. Ao lerem a mensagem, os familiares conseguiram intervir e levaram o jovem para o hospital.
Frases como “minha vida não tem mais sentido”, “quero sumir” ou “não aguento mais viver”, verbalizadas ou postadas nas redes sociais, devem ser levadas a sério, pois indicam uma possível ideação suicida.
Segundo a psicóloga, é importante que a família não ignore os alertas dados pelos jovens sobre o seu estado de sofrimento, pois, na maioria dos casos, é possível evitar o suicídio após a divulgação da mensagem. “Às vezes o jovem diz que vai se matar e a família não acolhe essa afirmativa, o que gera mais desespero e desesperança, porque a pessoa se sente isolada e incompreendida”, afirma Cinthya Araújo.
Em junho de 2016, o Facebook, em parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV) lançou uma ferramenta para identificar e responder postagens para prevenir o suicídio ou automutilação do Brasil.
Com essa ferramenta, quando alguém postar algo no Facebook que possa causar preocupações acerca de seu bem-estar, qualquer pessoa poderá buscar instruções de como oferecer apoio e também contará com a possibilidade de denunciar o caso ao Facebook. Os times de revisão da plataforma, que trabalham 24h e em todas as línguas, vão tratar com máxima prioridade esse tipo de denúncia e enviarão as informações de apoio o mais rápido possível.
Bruno Magrani, Diretor de Relações Institucionais do Facebook para o Brasil, afirma que algumas pessoas identificam na rede social sinais de que um amigo está com ideias suicidas, mas não sabem como ajudar. “Nestes casos, agilidade pode significar a diferença entre conseguir ou não ajudar alguém efetivamente. As ferramentas que lançamos no Brasil colocam na própria plataforma mensagens de apoio testadas e que podem ajudar na prevenção deste problema", afirma.
Fonte: Portal O Dia