terça-feira, 27 de junho de 2017

"Estrada da morte" será interditada a partir de sábado por moradores revoltados com descaso

BR-135 "Estrada da Morte"
Conhecida como a “estrada da morte”, a BR 135 deverá ser totalmente interditada a partir de sábado (01/07), em diversos pontos entre os municípios de Bom Jesus a Cristalândia, no extremo sul do Piauí. A BR é considerada uma verdadeira armadilha. Pelo menos 45 acidentes já ocorreram na região, com 35 mortes somente este ano (2017).
Na semana passada, padres celebraram missas ao longo da 135 de Bom Jesus a Cristalândia.

“Estamos cansados de pedir providencias ao poder público para o alargamento da BR, mas o Governo Federal não adota providências e muita gente vem morrendo em tragédia por cima de tragédia”, alerta Israel Guerra, um dos organizadores do Movimento SOS BR 135.

A intenção dos manifestantes é interditar a BR por tempo indeterminado. A própria Polícia Rodoviária Federal já fez um estudo e informou ao Governo Federal que a via seja interditada até que seja alargada.
O jornalista e escritor Zózimo Tavares informa que a “BR-135 começa em São Luís e vai até Belo Horizonte. No Piauí, seu trecho vai do município de Guadalupe a Cristalândia, na Divisa com a Bahia, num total de aproximadamente 500 quilômetros. O trecho piauiense é cada vez mais a estrada da morte. Uma ruela asfáltica, sem acostamento e com sinalização precária, onde trafegam gigantes (bitrens, rodotrens) da estrada, junto com caminhões, ônibus, camionetas, carros de passeios e motos”.
Zózimo vai além: “é como se fosse um equilibrista percorrendo um fio nas artes circenses. De um lado, os motoristas e usuários dessa perigosa estrada, transitando em sua mão, são oprimidos pela ausência da área de escapamento e pela presença de abismos à beira da rodovia causadas pelo aumento da altura de suas margens devido a constantes recapeamentos”.
Na última segunda-feira (26), o senador Ciro Nogueira esteve em audiência com o presidente Michel Temer, em Brasília. De acordo com o parlamentar piauiense, Temer foi receptivo ao atendimento da demanda e teria ligado para os ministros dos Transportes e do Planejamento, Maurício Quintella e Dyogo Oliveira, respectivamente. No entanto, diante de todo o imbróglio que envolve o então presidente da República, após as denúncias de Janot e das conclusões da Polícia Federal, ficam cada vez mais distantes os sinais de melhorias urgentes naquela estrada do sul piauiense.
 Fonte: Portal AZ