quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Projeto prevê investimento de 100 US$ para combater desertificação no Piauí

Valdemar Rodrigues
Um projeto prevê que sejam investidos 100 milhões de dólares para combater a desertificação no semiárido do Piauí. A proposta será apresentada a gestores nesta sexta-feira (4), durante a reunião de implementação de políticas públicas de combate à desertificação, promovida pelo Ministério do Meio Ambiente, em parceria com o Tribunal de Justiça do Piauí. 
Em entrevista ao Cidade Verde Notícias desta quinta-feira (3), o diretor do Departamento Nacional de Desenvolvimento Rural e Sustentável e de Combate à Desertificação do Ministério do Meio Ambiente, Valdemar Rodrigues, disse que o projeto, elaborado por uma consultoria contratada pelo ministério, prevê a recuperação de 100 mil hectares na bacia do rio Guaribas, próximo ao município de Picos, onde a desertificação avança com força. A ideia é que os gestores possam solicitar o apoio de fundos internacionais para bancar a proposta. 
Rodrigues alertou na Rádio Cidade Verde para a gravidade do problema, que deixou de ser somente da região de Gilbués. Um estudo recente feito na Europa atestou que no Sul da África e o Nordeste do Brasil estão as regiões que mais perderam a capacidade de produção no mundo. "Gilbués hoje deixa de ser problema porque chegou num nível que não avança mais.  (...) Agora vá em Picos, vá em Santo Antônio de Lisboa. São 200 mil hectares de caju perdido."
O avanço da desertificação é perigoso para a sobrevivência de uma região que já sofre com a estiagem ano a ano. "Além da seca continuar existindo, nós degradamos a cobertura vegetal, nós destruímos o solo. (...) O que nós fazíamos de reservatório para guardar água, hoje a gente guarda areia", acrescenta Valdemar Rodrigues. 
A reunião do MMA em Teresina (PI) começou nesta quinta-feira (3) e vai até sexta-feira. Além de discutir a desertificação, o evento visa capacitar gestores para a estratégia URAD (Unidade de Recuperação de Áreas Degradadas e Redução de Vulnerabilidade Climática), auxiliando prefeituras e Estado a terem um projeto único de combate ao problema. 
"A gente olha pra trás e muito pouco se tem feito para combater o maior problema ambiental que o Brasil tem, que é a desertificação. Nós verificamos que tanto no nível do ministério, como nos estados, as ações se restringem a diagnóstico, projeto piloto, projeto demonstrativo, e isso nunca se tornou política pública", comentou o diretor do Ministério do Meio Ambiente. 

Fonte: CidadeVerde