quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Wellington Dias cria sete novos Parques e Unidades de Conservação no Piauí

Rio Uruçuí vermelho
O governador Wellington Dias (PT) e o secretário estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Ziza Carvalho (PDT), assinaram, na noite de terça-feira, em solenidade realizada no Theatro 4 de Setembro, a criação de sete novos Parques e Unidades de Conservação no Piauí.
Foram criadas as Unidades de Conservação Parque Estadual do Rangel, abrangendo parte dos municípios de Curimatá e Redenção do Gurguéia; Parque Estadual do Cânion do Rio Poti, situado no município de Buriti dos Montes; Área de Proteção Ambiental (APA) Nascentes do Rio Canindé, em terras situadas no município de Acauã; Área de Proteção Ambiental (APA) Nascentes do Rio Longá, em terras situadas no município de Alto Longá; Área de Proteção Ambiental (APA Nascentes do Rio Uruçuí-Preto, em terras situadas nos municípios de Gilbués, Santa Filomena, Baixa Grande do Ribeiro, Bom Jesus e Monte Alegre do Piauí; Área de Ambiental (APA) Altos Cursos dos Rios Gurguéia e Uruçuí-Vermelho, em terras situadas nos municípios de São Gonçalo do Gurguéia, Barreiras do Piauí e Gilbués; e o enquadramento Parque Estadual Zoobotânico na categoria estabelecida na lei do SEUC/SNUC
“O Piauí ganha muito com a instituição de novas unidades de conservação, a maior parte delas em nascentes dos principais rios do estado. Com isso, contribuímos com a manutenção da diversidade biológica e dos recursos genéticos, além de proteger espécies endêmicas, raras, proteger paisagens naturais, recuperar recursos hídricos e ecossistemas degradados”, afirma o secretário do Meio Ambiente, Ziza Carvalho.
O governador Wellington Dias afirmou que o Parque Estadual do Rangel contribuirá para a vegetação do Bioma Caatinga pouco degradado e muitas espécies ameaçadas da flora nordestina, habitat de várias espécies da fauna da região, ameaçadas de extinção.
“O Parque Estadual do Rangel se insere em uma região que está ameaçada pelo avanço da agricultura e da pecuária que, mantida, a tendência atual, poderá resultar em grande risco de alteração do ecossistema local, principalmente da paisagem de extrema beleza cênica, acarretando perda da rica biodiversidade e atratividade turística da região”, afirmou Wellington Dias.
O Parque Estadual do Rangel tem uma área de 38.567 hectares.
O Parque Estadual do Cânion do Rio Poti tem uma área de 24.772 hectares.
O governador Wellington Dias afirmou que o Parque Estadual do Cânion do Rio Poti irá contribuir para preservação de um grande fragmento de caatinga pouco degradado e com muitas espécies ameaçadas da flora nordestina, habitat de várias espécies da fauna da região, em especial o tatu-bola, espécie endêmica do Brasil e ameaçada de extinção.
“Considerando a necessidade de proteção dos sítios de gravuras rupestres localizados nas margens do rio Poti, nas proximidades da comunidade de Conceição dos Marreiros e do Poço Comprido, a região tem que ser preservada. São gravuras de grande relevância antropológica, além disso o potencial de um dos principais trechos do Cânion do Rio Poti, o Poço Canalão, tem feição geomorfológica de extrema beleza cênica, caracterizada por grandes desfiladeiros, onde a diferença entre o fundo da calha fluvial e o topo chega a dezenas de metros”, acrescentou Wellington Dias.

Fonte: MeioNorte