quarta-feira, 6 de junho de 2018

Lixo Zero: congresso internacional chama atenção para a importância do descarte correto dos resíduos




“Se você não é pelo Lixo Zero, por quanto lixo você é?” Com esse questionamento, o presidente do Instituto Lixo Zero Brasil, Rodrigo Sabatini, realizou a abertura do Congresso Internacional Lixo Zero, em Brasília. Com a presença de diversas autoridades, o evento conta com o apoio da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e acontece até o dia 7 de junho, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.
O apoio da CNM foi ressaltado em discurso pelo coordenador do Instituto Lixo Zero Brasília, Kadmo Côrtes. “Agradecemos à CNM, que está nos apoiando e muito motivada a levar a cada um dos Municípios brasileiros orientações nesse sentido. Nós precisamos tratar da questão do lixo antes a qualquer uma das tecnologias que possam ser implementadas depois”, completou.
O presidente da CNM, Glademir Aroldi, lembra que o evento é uma oportunidade de conhecer soluções e se inspirar para boas práticas em gestão de resíduos, já que são grandes os desafios para implementar a Política Nacional de Resíduos Sólidos. “Eventos como esse permitem que os gestores conheçam o que já está sendo feito no mundo inteiro e possibilita que eles possam se inspirar a começar a coleta seletiva, a compostagem e outras ações na gestão de resíduos sólidos, mas, principalmente, permite aos gestores terem esperança”, disse.
O grande desafio é implementar o lixo zero em todos os Municípios brasileiros. Dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA) mostram que, dos 5.568 Municípios brasileiros, apenas 2.751 declararam ter plano de gestão integrada de resíduos. “Para o movimento municipalista, o compromisso só começa aqui e o presidente Glademir Aroldi colocou como uma meta para os próximos dois anos e nós vamos seguir essa caminhada a partir do marco lixo zero”, disse o diretor-executivo da CNM, Gustavo Cezário.
Cezário ressaltou, ainda, que respostas positivas só serão alcançadas através de um trabalho conjunto. “A gente só vai conseguir avançar nessa pauta se governo federal, Estados, iniciativa privada, sociedade civil, de fato, assumirem seu papel”, afirmou.
A abertura contou, ainda, com a participação do secretário da Secretaria de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Jair Tannus; do presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Joe Valle (PDT/DF); do deputado distrital Júlio César (PRB/DF); do presidente da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), Júlio César Reis; e da representante da Caixa Econômica Federal Maria Luisa Alvim Motta.
Distrito Federal
Em Brasília, um dos maiores exemplos de lixo zero vem de uma quadra residencial. A 113 sul se tornou modelo de boas práticas adotadas para se transformar na primeira quadra residencial lixo zero. Entre as ações promovidas pelos moradores está a separação do lixo, o reaproveitamento dos materiais e a redução do volume de resíduos sólidos descartados no aterro sanitário.
Outras ações promovidas na Capital Federal foram lembradas pelo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg. Entre elas, está o fechamento do maior lixão da América Latina e o segundo maior lixão do mundo. Em atividade desde a década de 1950, o lixão da Estrutural foi desativado em janeiro de 2018, após um longo diálogo com os catadores. “A maior parte das cidades de Brasília tem coleta seletiva feita por cooperativa de catadores que também fazem a triagem e recebem por isso. Isso foi um avanço muito significativo para o que nós tínhamos, mas temos a consciência que precisamos avançar muito”, ressaltou Rollemberg.
Dia Mundial do Meio Ambiente
O Lixo Zero é uma meta definida como ética, econômica, eficiente e visionária, com o objetivo de orientar as pessoas na mudança de seus estilos de vida e práticas para incentivar ciclos naturais sustentáveis, onde todos os materiais descartados são projetados para se tornarem recursos para outros usarem.
A abertura do Congresso Internacional Lixo Zero acontece no dia em que se é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente. Com o tema Acabe com a Poluição Plástica, a Organização das Nações Unidas (ONU) quer chamar a atenção da sociedade para redução da produção e o consumo excessivo de produtos plásticos descartáveis.
A Confederação Nacional de Municípios lançou, neste Dia Mundial do Meio Ambiente, campanha para incentivar os Municípios a realizarem campanhas ambientais, além de observar a destinação de cada resíduo sólido produzido.

Fonte: CNM