quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Seminário Internacional sobre Drogas no Piauí começa nesta quarta (29)


O papel das instituições na prevenção, tratamento e ressocialização de dependentes químicos será discutido durante o II Seminário Internacional sobre Drogas no Piauí, que tem início a partir das 18h, desta quarta-feira (29), no Instituto de Educação Antonino Freire, na zona Norte de Teresina. Palestrantes do Brasil, Suíça e Uruguai discutirão o tema. 
Para o secretário da Confederação Nacional de Comunidades Terapêuticas (Confenact), Egon Schluter, o maior desafio é o tratamento dos dependentes químicos.
"A partir do momento em que a pessoa é dependente, faz uso nocivo, está em situação de rua, sem trabalho, sem vínculo familiar, o desafio é muito grande. Por isso, que a gente tem que vir antes na prevenção e quando há o problema é preciso haver serviços à disposição. Temos que alcançar também as famílias, no sentido de prepará-las para ajudar a pessoa que é dependente. Esse é o outro grande desafio", disse Schluter. 
Em todo o país, há mais de 2 mil comunidades terapêuticas que tratam dependentes de álcool e outras drogas. O secretário da Confenact frisa que é necessário mais investimentos no acolhimento e tratamento.
"Temos que incentivar que haja mais investimentos, mais contratação de vagas e que as entidades possam se estruturar com mais qualidade para oferecer um serviço que toda a família que tem esse problema, tenha acesso. Hoje há uma limitação de acesso em função de questões econômicas das entidades não poderem oferecer vagas sociais em número compatível com a demanda", destaca Egon Schluter, que defende que a temática seja abordada também nas escolas.
"Temos que começar pela prevenção, disponibilizar mais recursos públicos, ter mais acessos as escolas e preparar os professores para que, independentemente da matéria, abordem de forma transversal e mais contundente como a criança pode ter uma qualidade de vida diferente".
O II Seminário Internacional sobre Drogas no Piauí segue até a sexta-feira (31). O fundador da comunidade terapêutica Casa do Oleiro de Teresina, pastor José Gouveia, faz um triste desabafo e diz que "estamos perdendo essa guerra".
"A grande falha está no início. Precisamos fomentar a prevenção no Brasil de forma mais contundente. Hoje, não fazemos da forma correta e estamos perdendo essa guerra. A ideia de não entrar no consumo precisa ser trabalhada antes, preparando as nossas crianças, nossos jovens para que eles não entrem nesse mal", alerta José Gouveia.

Fonte: CidadeVerde