sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Piauí tem 31 municípios entre os 100 piores PIBs do Brasil, aponta IBGE


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira (14) a Pesquisa do Produto Interno Bruto dos Municípios de 2016 e os dados referentes ao Piauí não são nada animadores, sobretudo no que diz respeito à participação das cidades do Estado na geração de riquezas do país. O levantamento apontou que dos 100 menores PIB’s do Brasil, 31 são de municípios piauienses.
Soma-se a esta realidade o fato de que os dois menores Produtos Internos Brutos do país serem de cidades do Piauí. Trata-se dos municípios de Miguel Leão, que possuía um PIB de R$ 11,67 milhões em 2016; e Santo Antônio dos Milagres, com um PIB de R$ 13,34 milhões. As duas cidades têm como destaque na composição de seu PIB o grande peso da administração, defesa, educação e saúde públicas, bem como a seguridade social, com, respectivamente, 68,04% e 77,37% de participação no total do Produto Interno Bruto municipal.
O que o levantamento do IBGE revela também é que, no geral, houve uma queda no PIB dos municípios piauienses entre 2015 e 2016. As cidades que tiveram a maior redução de sua produção de riqueza no Estado foram Bom Jesus (com variação negativa de 20,36%); Uruçuí (variação de menos 24,37%), Landri Sales (variação de menos 29,69%); Gilbués (variação de menos 36,12%); Sebastião Leal (menos 36,42%); Ribeiro Gonçalves (menos 49,53%); Currais (menos 52,49%), Santa Filomena (variação de menos 55,75%) e Baixa Grande do Ribeiro (com variação de menos 57,49%).
Já os menores PIBs do Piauí em 2016 são os dos seguintes municípios: Prata do Piauí, Pedro Laurentino, São Miguel da Baixa Grande, Floresta do Piauí, Lagoinha do Piauí, Olho D’Água do Piauí, São Luís do Piauí, Aroeiras do Itaim, Santo Antônio dos Milagres e Miguel Leão.  O IBGE atribui este baixo rendimento no PIB dos municípios à seca que assolou o Estado ao longo de 2016 e que prejudicou, sobremaneira, as cidades do Cerrado piauiense. Houve uma queda expressiva na produção e, consequentemente, no PIB destas cidades.

Os dez menores PIB's do Piauí em 2016 (Foto: IBGE)
Concentração de riquezas marca o Estado
O Piauí possui uma concentração expressiva do PIB em poucos municípios, segundo o que aponta o IBGE. As dez cidades com os maiores Produtos Internos Brutos do Estado em 2016 respondiam, juntas, por 64,64% do valor total do PIB do Estado. Somadas, elas possuem ainda 41,46% de toda a população piauiense. As cidades com maior concentração de riqueza do Estado são: Teresina, Parnaíba, Picos, Floriano, Uruçuí, Piripiri, Campo Maior, Bom Jesus, Guadalupe e São Raimundo Nonato.

Maiores PIB's do Piauí em 2016 (Foto: IBGE)
Teresina foi o município com o maior PIB do Piauí em 2016, com R$ 19,14 bilhões, apresentando um crescimento de 8,58% em relação ao PIB de 2015. Em seguida, aparece Parnaíba, com um PIB de R$ 1,92 bilhão (crescimento de 6,93%) e Picos, com R$ 1,39 bilhão (crescimento de 13,24%). Uruçuí e Bom Jesus, apesar de apresentarem queda no PIB de 24,37% e 20,36%, respectivamente, ainda figuram entre as cidades com mais riquezas produzidas. Mas o município que mais chama a atenção neste ranking é Guadalupe, que viu seu PIB crescer 68,74% de 2015 para 2016.
A concentração do PIB piauiense em alguns poucos municípios reflete a má distribuição da riqueza entre as cidades do Estado. Se dez cidades apresentam 64,64% das receitas, os outros 35,36% do PIB do Piauí estão nos demais 214 municípios. Essa realidade, no entanto, pode mudar, porque, de acordo com o IBGE, a partir de 2002, se percebeu uma tendência de desconcentração do valor do PIB na Capital. Naquele ano, Teresina detinha 49,44% do PIB do Estado, e em 2016, essa taxa caiu para R$ 46,25%, uma redução de 3,19 pontos percentuais.

Concentração do PIB nos municípios piauienses em 2016 (Foto: IBGE)
Mesmo com essa queda na participação nas receitas estaduais, Teresina figura como o 43º maior PIB brasileiro, representando 0,31% das riquezas e receitas geradas no país ao longo de 2016. Em termos regionais, a Capital piauiense apresenta o oitavo PIB do Nordeste, respondendo por 2,13% do Produto Interno Bruto da região. Teresina fica a frente de grandes cidades como João Pessoa (PB) e Aracaju (SE).
PIB per capita
A Capital do Piauí apresentou em 2016, conforme o IBGE, o 22º PIB per capita do Brasil, com uma renda de R$ 22.597,68 por habitante. O maior PIB per capita do Estado naquele ano foi encontrado em Guadalupe, com rendimento médio por habitante de R$ 41.553,97. Em segundo lugar, veio Uruçuí, com PIB per capita de R$ 36.777,46 e em terceiro lugar, Teresina.
Além destes três, os municípios com os maiores PIB per capita do Estado em 2016 foram Baixa Grande do Ribeiro, Bom Jesus, Picos, Floriano, Ribeiro Gonçalves, Fronteiras e Antônio Almeida.

Fonte: Portal O Dia